sexta-feira, 26 de junho de 2015

11 3151-5000 DESENTUPIDORA SÃO PAULO ALERTA: POPULAÇÃO AINDA SOFRE COM FALTA D'ÁGUA

Diversos bairros só recebem água durante algumas horas do dia


Neste dia 25 de junho Dilma Rousseff e o governador paulista, Geraldo Alckmin assinaram contrato de financiamento para interligar as represas do Jaguari (Bacia do Rio Paraíba do Sul), e Atibainha, (Sistema Cantareira, que atende a região metropolitana da Capital).

A obra, mesmo em caráter emergencial, só ficará pronta em 2017, consumindo investimentos de R$ 830,5 milhões, 90% financiados pelo BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - e o restante pela Sabesp - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo.

A meta é duplicar a capacidade das duas represas, de 1 bilhão de metros cúbicos para 2,1 bilhões de metros cúbicos, gerando um acréscimo de 5 metros cúbicos de água por segundo na capacidade de fornecimento do Sistema Cantareira.

Já faz algum tempo que a Desentupidora São Paulo vem alertando a população para a necessidade do uso consciente e responsável da água.

Apesar de o governador afirmar que não há rodízio no fornecimento de água no Estado, os paulistas ainda sofrem com a falta de água. É impossível saber exatamente quais efeitos da crise hídrica no Estado ainda persistem, mas infelizmente os paulistanos continuam sofrendo com as restrições ao consumo.

Há lugares em que a água só chega por algumas horas na madrugada e pela manhã as torneiras já estão novamente secas. Muitas vezes, o fornecimento parcial não é suficiente para enchera caixas de água e outros reservatórios.

É importante lembrar que a crise de água em São Paulo continua e que a utilização dos recursos naturais de forma sustentável contribui para minimizar o problema.

Como as chuvas continuam reduzidas, o melhor e mais otimista dos cenários, indica que se chover o tanto que os meteorologistas esperam, o Sistema Cantareira voltará a operar em 2016 com 30% de seu volume normal.

A urbanização desordenada, a verticalização, a impermeabilização do solo, a sobrecarga do sistema de abastecimento, a falta de coleta e de tratamento do esgoto, aumentaram a poluição dos rios e mananciais, além de dificultar o acesso à água potável. Evitar o descarte irregular de detritos nos esgotos, executar desentupimentos preventivos, a construção, manutenção e limpeza regular de fossas podem ajudar a reduzir esses problemas.

Se o entupimento for causado por detritos sólidos resistentes, além das sondas desentupidoras convencionais com cabos flexíveis e ponteiras especiais, também são utilizados sistemas de hidrojateamento que através de bombas de alta pressão e torpedos que trituram e removem qualquer tipo de resíduo, sem riscos para as instalações sanitárias.

Defeitos ocultos nas tubulações podem resultar em vazamentos de esgoto que além de contaminar o solo, lençóis freáticos e reservas hídricas naturais, causam danos ao patrimônio com abalos na estrutura das fundações de imóveis. Nessas situações, a Desentupidora São Paulo disponibiliza os sistemas de vídeo inspeção. Micro câmeras ou macro câmeras com iluminação por LEDs são introduzidas nas tubulações para realizar uma endoscopia (diagnósticos por imagem nos encanamentos), identificando irregularidades com clareza para reparos com absoluta precisão.

A Sabesp estima que 25% da água tratada se perde no caminho entre a distribuidora e as torneiras, mas reportagem recente do Estadão, informa que essa perda pode chegar a 31%.

Na Califórnia, EUA, onde desde 2013, chove bem menos que em São Paulo, a situação é bem parecida com a nossa. Lá, o governo decretou estado de emergência e tomou medidas drásticas para preservar os recursos hídricos e evitar desperdício. Quem for pego desperdiçando, é multado. Aqui, além da redução da pressão do abastecimento, quem economiza pelo menos 20% ganha desconto de 30% no valor da conta de água.

O crescimento da população é um dos responsáveis pela crise hídrica. Em 1960, a capital pulou de 4,8 milhões para 11,8 milhões de moradores em 2013, sem contar as cidades da região metropolitana.


Ainda que se promova a redução drástica no consumo de água, também é preciso estabelecer um plano de gestão mais eficiente para o abastecimento de água em São Paulo. Se voltar a chover a normalmente, pode levar até 10 anos para que o Sistema Cantareira recupere seu nível normal. Sem investimentos em novos reservatórios, a curto prazo, os atuais não darão conta do recado.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

11 3151-5000 DESENTUPIDORA ALERTA: ESPUMA TÓXICA CHEGA AO TIETÊ PELO ESGOTO DAS PIAS

Excesso de detergente usado na pia da cozinha é a causa da espuma tóxica que cobre trechos do Rio Tietê


Baixa vazão do rio principalmente durante o inverno, e o descarte irregular nos esgotos domésticos, são os principais vilões que formam a espuma tóxica frequentemente exibida pelo Tietê. 

Rafael Pacheco/Fotos Públicas

Rafael Pacheco/Fotos Públicas
Terça-feira (23 de junho de 2015), Pirapora de Bom Jesus, na Grande São Paulo, amanheceu com praças e ruas cobertas por uma densa camada de espuma branca, mau cheirosa, altamente tóxica e prejudicial à saúde. 
Soprada pelo vento, a espuma atingiu pontes e vias públicas, ameaçando alcançar imóveis próximo das margens.
A Cetesb (Companhia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo) culpa a falta de chuvas, que ajudaria a dispersar os detergentes não degradáveis e evitaria a formação das espumas; os esgotos domésticos não tratados; e a falta de oxigênio na água como as principais razões para a ocorrência do fenômeno, que em por causa da estiagem, também foi visto em fevereiro junto da ponte dos Remédios, na zona oeste da capital paulista.
Além dos riscos para a saúde da população, os moradores de Pirapora do Bom Jesus estão preocupados com os prejuízos materiais, pois a espuma tóxica deixa manchas nas roupas, no chão e pintura dos carros.
Rica em sulfeto de hidrogênio H2S(g) e coliformes nocivos a saúde, a espuma tóxica atingiu cerca 5 metros de altura em 13 km de extensão do rio.
Quimicamente, essa espuma é formada por uma solução de gás em líquido tensoativo biodegradável. Detergentes domésticos usados na lavagem de louças são separados da espuma por filtração. Sem o processo, gerar tensão na superfície da água, facilitando a formação de espuma.
Desentupidora São Paulo alerta que a solução só virá com a conscientização da sociedade para evitar o descarte irregular de detritos nos esgotos, além de investimentos públicos visando a implantação de programas eficientes para tratamento, coleta e destinação final adequada dos esgotos. Desentupimentos preventivos e a limpeza regular dos encanamentos e caixas de esgoto também contribuem para evitar o acúmulo de detritos que causam transtornos nos imóveis residenciais, comerciais ou industriais. A limpeza de fossas e de outros sistemas primários de tratamento também ajudam a evitar que resíduos tóxicos contaminem os mananciais, nascentes e reservar hídricas.
Quando o esgoto estiver obstruído por detritos sólidos, a Desentupidora São Paulo disponibiliza o sistema de hidrojateamento, que utiliza bombas de alta pressão e torpedos de aço para triturar e retirar das tubulações os resíduos mais resistentes. Caso haja alguma irregularidade oculta, os equipamentos de vídeo inspeção realizam diagnósticos por imagem com gravação em DVD, uma endoscopia das tubulações, que identificam com absoluta clareza e precisão o ponto exato para realização do reparo, evitando quebras desnecessárias de pisos e paredes.

domingo, 9 de novembro de 2014

Desentupimento Sustentável

Hoje, todos sentem claramente os efeitos do impacto ambiental resultante das ações de pessoas e empresas que por muito tempo desenvolveram atividades agredindo o meio ambiente de forma indiscriminada, em que a meta era a busca do lucro a qualquer custo.
            O aumento das temperaturas entre 1 e 2 graus centígrados anuais, bem como as alterações climáticas, estão confundindo o comportamento das estações do ano. E isso também faz parte da dívida ambiental a ser paga.
O mais emblemático destes acontecimentos é a ocorrência de estiagens severas em algumas regiões e de enchentes em outras, desequilibrando e desarmonizando o meio ambiente, tornando-o imprevisível
A Desentupidora São Paulo atua com utilização de água de reúso, e ao realizar a limpeza de fossas, encaminha o resíduo líquido gerado para estação de tratamento de esgoto. Ao contratar uma desentupidora, verifique se a mesma possui atitudes responsáveis com relação a meio ambiente. A Desentupidora São Paulo atua de forma consciente e sustentável. A Desentupidora São Paulo possui tecnologias modernas e eficientes para executar o desentupimento, através de vídeo inspeção, identifica com precisão o local que está entupido e a causa, resolvendo com agilidade o entupimento. Precisando de desentupimento de esgoto? Contrate a Desentupidora São Paulo!

sábado, 18 de outubro de 2014

ÁGUA: BEM PRECIOSO QUE PODE ACABAR

A maior crise hídrica de todos os tempos exige soluções em desentupimento que promovam o uso racional da água.
Dia 11 de agosto de 2014 a água disponível nos reservatórios do Sistema Cantareira registrou o triste recorde negativo de 5% de sua capacidade. Você pode contribuir para reduzir esse impacto contratando serviços de empresas desentupidoras com responsabilidade social e ambiental. DESENTUPIMENTO SE FAZ COM ÁGUA DE REÚSO.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Audiência pública vai debater sistema de esgoto sanitário

A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), a Prefeitura de Cascavel e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente realizam nesta sexta-feira (8/8) audiência pública para apresentação das obras de ampliação do Sistema de Esgoto Sanitário da cidade.

No conjunto de obras está prevista a ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto da Região Sul da cidade e a implantação de um interceptor de esgoto na região do Lago Municipal. O interceptor é uma rede de grande diâmetro responsável por receber o esgoto das redes coletoras e transportar até a Estação de Tratamento.

O evento será no salão da Associação de Moradores dos Bairros Itaipu/Caravelli, na Rua José do Patrocínio esquina com a Rua Tiradentes.

A exemplo das assembleias, a audiência terá a primeira chamada às 18 horas e a segunda às 18h30. Todos os moradores do entorno do Lago foram convidados a participar da audiência.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

A Desentupidora São Paulo atua no desentupimento de esgoto e limpeza de fossa através de hidrojateamento e vídeo inspeção.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Caixas de Gordura

Caixas de gordura são locais destinados a reter, na sua parte superior as gorduras, graxas e óleos contidos no esgoto, formando camadas que devem ser removidas periodicamente, evitando que estes componentes escoem livremente pela rede de esgoto, causando obstrução da mesma (ABNT, 1999).
A caixa de gordura deve ser instalada na saída da água utilizada na pia e na máquina de lavar louças e antes de chegar à rede pública de esgoto - é um pequeno tanque que retém a gordura lançada na pia ou presente na louça e panelas das casas e restaurantes. Quando esfria, a gordura se transforma em blocos sólidos que se fixam nas paredes das tubulações, reduzindo o espaço para a passagem do esgoto, e, por conseqüência, provocando entupimentos e transbordamentos. Se a rede coletora de esgoto estiver entupida, há risco de o esgoto retornar para dentro do imóvel.
A gordura causa obstrução da rede de esgoto. Para cada situação, uma equipe de manutenção precisa interromper seus serviços e deslocar-se até o local para fazer a limpeza e desentupir a rede. A gordura vai parar na rede de esgoto porque há imóveis onde a caixa de gordura não foi instalada. A função da caixa é reter este tipo de material, que, periodicamente, deve ser retirado da caixa e destinado adequadamente.
A caixa retém a gordura porque esta não se mistura com a água. A gordura acaba boiando na superfície da caixa e a água utilizada na cozinha segue, então, pela tubulação de esgoto. A implantação da caixa de gordura não é cara, principalmente considerando-se a relação custo/benefício. É encontrada em lojas de material de construção.
A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), por meio da NBR 8160, orienta sobre a construção de todos os tipos de caixa de gordura. Consultando a Norma é possível saber o dimensionamento para cada imóvel. Em residências com até duas pias, a caixa precisa ter capacidade mínima para 18 litros. As caixas de gordura devem ser instaladas no lado interno do alinhamento predial, não sendo permitidas no passeio.
Instalada na rede interna de esgoto, a caixa pode ser de plástico (PVC), fibra de vidro, concreto ou alvenaria. Deve ser instalada em local de fácil acesso, ter tampa removível (para permitir a limpeza) e estar completamente vedada para garantir seu bom funcionamento.
O óleo de fritura nunca deve ser despejado na pia porque vai se acumular na caixa de gordura. Também não deve ser jogado nas bocas de lobo ou bueiro por onde é escoada a água da chuva, pois pode contaminar o solo ou a água. A orientação é guardá-lo em um vidro. Quando o vidro estiver cheio, entregar em postos de coleta.
 É importante verificar as condições da caixa de gordura a cada 30 dias ou com frequência maior, caso na cozinha sejam lavados utensílios muitos engordurados, ou se há o uso constante de óleo de fritura, seja em frigideiras ou chapas. Uma caixa entupida pode causar mau cheiro e vazamentos através da tampa, entupimento da rede interna, retorno do esgoto para dentro das casas pelos ralos e escoamento lento no ralo da pia.
Para limpar a caixa, a pia não deve estar sendo utilizada. A Desentupidora São Paulo é especializada em limpeza de caixas de gordura, caixas de decantação, poços de recalque, esgotamento de inundação. Realiza a limpeza e raspagem de todos os resíduos e detritos acumulados nas paredes internas das tubulações eliminando odores provocados por gases.
A falta de limpeza de sua caixa de gordura poderá lhe causar alguns transtornos, tais como:

- Transbordamento através da tampa;
- Entupimento das canalizações;
- Escoamento Lento da água pelo ralo da pia;
- Mau cheiro.

 A empresa DESENTUPIDORA São Paulo – CAIXA DE GORDURA: Trabalha na limpeza e remoção de detritos utilizando equipamentos de última geração, caminhões auto vácuo, alta pressão e hidrojateamento equipados com tanque de 7m³ e 12m³.

Com alta experiência em desobstruções de tubulações e galerias de ESGOTO com diâmetros de 6” polegadas até 80cm de diâmetro. 




Fonte: SANEPAR

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Legislação ambiental aplicada à efluentes

De acordo com o Decreto Estadual 8468/76, onde houver sistema público de esgotos, em condições de atendimento, os efluentes de qualquer fonte poluidora deverão ser nele lançados.
Ainda estabelece que os efluentes de qualquer fonte poluidora somente poderão ser lançados em sistema de esgotos, provido de tratamento com capacidade e de tipo adequados, se obedecerem às seguintes condições:
I - pH entre 6,0 (seis inteiros) e 10,0 (dez inteiros);
II - temperatura inferior a 40º C (quarenta graus Celsius);
III - materiais sedimentáveis até 20 ml/l (vinte mililitros por litro) em teste de 1 (uma) hora em "cone Imhoff";
IV - ausência de óleo e graxas visíveis e concentração máxima de 150 mg/l (cento e cinqüenta miligramas por litro) de substâncias solúveis em hexano;
V - ausência de solventes, gasolina, óleos leves e substâncias explosivas ou inflamáveis em geral;
VI - ausência de despejos que causem ou possam causar obstrução das canalizações ou qualquer interferência na operação do sistema de esgotos;
VII - ausência de qualquer substância em concentração potencialmente tóxicas a processos biológicos de tratamento de esgotos;
VIII - concentrações máximas dos seguintes elementos, conjuntos de elementos ou substâncias:
a)arsênico, cádmio, chumbo, cobre, cromo hexavalente, mercúrio, prata e selênio - 1,5 mg/l (um e meio miligrama por litro) de cada elemento sujeitas à restrição;
b) cromo total e zinco 5,0 mg/l (cinco miligramas por litro) de cada elemento, sujeitas ainda à restrição;
c) estanho - 4,0 mg/l (quatro miligramas por litro), sujeita ainda à restrição;
d) níquel - 2,0 mg/l (dois miligramas por litro), sujeita ainda à restrição;
e) cromo hexavalente - total de 5,0 mg/l(cinco miligramas por litro;
f) cianeto - 0,2 mg/l (dois décimos de miligramas por litro);
g) fenol - 5,0 mg/l (cinco miligramas por litro);
h) ferro solúvel - (Fe2+) - 15,0 mg/l (quinze miligramas por litro)
i) fluoreto - 10,0 mg/l (dez miligramas por litro)
j) sulfeto - 1,0 mg/l (um miligrama por litro);
l) sulfato - 1.000 mg/l (mil miligrama por litro);
IX - regime de lançamento contínuo de 24 (vinte e quatro) horas por dia, com vazão máxima de até 1,5 (uma vez e meia) a vazão diária;
X - ausência de águas pluviais em qualquer quantidade.


Os efluentes líquidos, excetuados os de origem sanitária, lançados nos sistemas públicos de coleta de esgotos, estão sujeitos a pré-tratamento que os enquadre nos padrões estabelecidos acima citados. O lodo proveniente de sistemas de tratamento das fontes de poluição industrial, bem como o material proveniente da limpeza de fossas sépticas, poderá, a critério e mediante autorização expressa da entidade responsável pela operação do sistema, ser recebido pelo sistema público de esgotos, proibida sua disposição em galerias de águas pluviais ou em corpo d'água.
Os efluentes líquidos provenientes de indústrias deverão ser coletados separadamente, através de sistemas próprios independentes, conforme sua origem e natureza, assim destinados:
I - à coleta e disposição final das águas pluviais;
II - à coleta de despejos sanitários e industriais, conjunta ou separadamente, e;
III - às águas de refrigeração.
    Os despejos referentes à coleta de despejos sanitários e industriais, deverão ser lançados à rede pública através de ligação única, cabendo à entidade responsável pelo sistema público admitir, em casos excepcionais, o recebimento dos efluentes por mais de uma ligação.
  O lançamento de efluentes em sistemas públicos de esgotos será sempre feito por gravidade e, se houver necessidade de recalque, os efluentes deverão ser lançados em caixa de "quebrapressão", da qual partirão por gravidade para a rede coletora.
  O lançamento de despejos industriais à rede pública de esgotos será provido de dispositivos de amostragem e/ou medição na forma estabelecida em normas editadas pela entidade responsável pelo sistema.
  Para efeito de aplicação das sanções cabíveis, as entidades responsáveis pelos sistemas públicos de esgotos comunicarão à CETESB as infrações constatadas, no tocante ao lançamento de despejos em suas respectivas redes em desconformidade com o instituído no Decreto Estadual 8468/76.

Referência

Decreto Estadual 8468/76